Estranhos que visitaram

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Expectativas




Imagino. Fecho os olhos. Penso como será bom tudo aquilo que está desejando que se realize. As imagens surgem de um lugar desconhecido, mas quão perfeitas são elas. Não se sabe como elas vêm, mas a causa, na maioria das vezes, para mim é a felicidade. A respiração fica mais rápida, diria que o meu diafragma ganha uma velocidade maior que o normal. Um nervosismo toma conta do meu corpo. Minha boca fica seca, o tempo parece tirar férias – para e não sente vontade de apressar-se. Aproveito o meu vazio e organizo a minha falta do nada. A certeza do amanhã, certeza de que amanhã estarás comigo me faz devanear. Mas tu não vens. Tu não ligas, tu és e me deixas confusa.
Será esse meu destino? Amores difíceis, incontroláveis, indecifráveis. Desesperada fico. Deixa eu te proteger? Afinal, essa dor que levas no peito, por mim, deve ser arrancada. Você tem que ceder ao calor que te faz suar. Só não me deixa criar expectativas e entrar no labirinto que você se esconde. Porque eu vou te achar e não vou, nunca mais, te soltar...

Um comentário:

Camila Oliveira disse...

Thay! Delicadamente profundo, com muita simplicidade você revela-nos exatamente aquilo que faz alguém sentir as inconstancias do amor...

Parabéns!

Ps.: como coloca o banner lá em cima do blog, queria personalizar o meu, mas não sei, como faz?
Bejokas flor!